As máquinas de Transformers – Parte 1

Autobots.


Peterbilt 388 – OPTIMUS PRIME

width=280
Os modelos 389 e 388

Pesando quase 7 toneladas, o imenso caminhão é uma evolução do modelo 379 da marca americana, e tem o mesmo estilo do modelo 389, mas suas cabines traseiras são diferentes (a do 388 é um pouco menor). Foram lançados em 2007, de acordo com as normas mais atuais de emissões de poluentes e de dispositivos de segurança. Há melhor aerodinâmica e melhor visibilidade para o motorista. Muitos componentes são de alumínio, e a exigência de manutenção é bem menor. O comprimento se aproxima de 7 metros, com entre-eixos de 3,12 para o Optimus, quer dizer, o 388!

O motorzão é um Cummins ISX de 550 cavalos, levando o gigante pelas longas estradas americanas com tranquilidade, mesmo levando o imenso baú de carga atrás, perfazendo o impressionante número de 18 rodas. A cabine traz todo o conforto e conveniência, tornando as longas horas na estrada muito agradáveis. Claro, o mais especial dos modelos Peterbilt 388 vem com pintura vermelha com flamas azuis…

Pontiac Solstice – JAZZ

width=433

Lá pelos idos dos anos 1980, um pequeno conversível chamado Mazda Miata fez um tremendo sucesso nos Estados Unidos, lançando a moda desses pequenos esportivos.

A Divisão Pontiac da General Motors sempre teve uma imagem de produtora de carros quadrados e sem graça, mas isso começou a mudar com lançamentos recentes.

E um desses lançamentos foi um carro-conceito apresentado no Salão de Detroit de 2002, e que chegou as ruas meses depois, o Solstice!

As linhas suaves remetem ao chamado design orgânico, seguindo a moda dos pequenos conversíveis ou roadsters, com dois lugares, domos atrás dos assentos, traseira curta, e frente mais longa abrigando um motor 4 cilindros 2.4 livros de 177 cavalos. Os itens de conforto trazem quase tudo que é normal em carros de hoje, ar condicionado, interior em couro, etc. Custa de 19 mil a 23 mil dólares nos Estados Unidos. Quer um?

GMC Topkick – IRONHIDE

width=450

É apenas a maior picape em produção! A base da Topkick é a mesma da Kodiac, mas esta tem apenas o chassi na parte de trás, servindo para colocar uma carroceria de caminhão. O modelo é usado como caminhão de lixo, ônibus escolar, e outras aplicações.

O motor costuma ser um 6,6 turbo-diesel, mas há um V-8 de 8,1 litros e 325 cavalos a gasolina. Claro que, como estamos nos States, a transmissão é automática.

Pesando mais de cinco toneladas, a Topkick a diesel anda a 120 km/h com carga. E o mais engraçado, dá para olhar de cima… para um Hummer!

A Topkick custa de 52 mil a 90 mil dólares. Vai encarar? Um certo modelo preto costuma ser meio mau-humorado…

Hummer H2 – RATCHET

width=399

Alguns até o chamam de baby-Hummer, por ser menor que o modelo H1 derivado do famoso jipão militar. Mas olhem de novo! O bicho continua imenso! Bom, menos quando o Ironhide está do lado…

O modelo H2 não abdica das qualidades fora de estrada para ir melhor na cidade, mas mesmo assim é bem menor que o H1 e cabe com mais folga em estacionamentos, além de causar menos confusão nas ruas.

Dentro todo o luxo e conforto típicos dos carros utilitários-esportivos atuais, inlusive com compressor para controlar a pressão dos pneus, e quanto ao motor, um V-8 6,0 liros de 325 cavalos deve dar pro gasto. O comprimento é de 4,82 m, entre-eixos de 3,11 m, e a bitola bem larga, de 1,76 m.

Ou seja, é um modelo ideal para servir e proteger!

Chevrolet Camaro – BUMBLEBEE

width=433

A indústria norte-americana viveu seu auge entre os anos 1950 e 1960. Gasolina barata, longas estradas construídas na época da Segunda Guerra Mundial, e motores que cresciam em tamanho e potência a cada ano.

Cada fábrica começou a lançar seus muscle cars, ou carros musculosos, que seguindo o exemplo de modelos como o Pontiac GTO e o Ford Mustang, tinham ainda que ser relativamente acessíveis. E foi aí que a GM, que já tinha o esportivo americano por excelência, o Corvette, decidiu participar também da briga, com o Camaro.

O modelo foi lançado nas versões cupê e conversível em 29 de setembro de 1966, e segundo o pessoal de vendas da fábrica, o nome era o de um pequeno animal que devorava cavalos mustang… provocação, claro, sobre a rival Ford.

Sucesso, claro, e a cada ano havia melhorias em estilo e mecânica, como no modelo 1965 com motor V-8 de 6,5 litros e 325 cavalos. Lembrando, um de nossos carros populares tem motor 1,0 litro…

A segunda geração foi apresentada em 1970, quando o carro aumentou de tamanho, e ganhou influência européia no estilo, semelhante a modelos Jaguar da época.

Com a crise do petróleo de 1973, houve uma mudança para modelos menores e mais econômicos, mas a GM manteve seu esportivo em linha. Em 1974, mais uma alteração radical no estilo, ganhando as linhas que nosso amigo Bumblebee apresenta no começo do filme Transformers.

O estilo persistiu em 1979, com a segunda crise do petróleo, e para 1982 estreava a terceira geração, com linhas mais retas típicas dos anos 1980. Teve a triste sina de ter, no modelo básico, um pequeno motor de 4 cilindros e apenas 90 cavalos. Bons tempos os da gasolina barata… Em 1985 houve uma versão mais esportiva, a Iroc-Z, homenageando a International Race of Champions, uma categoria monomarca que utilizou o Camaro de 1975 a 1989. Um exemplar esteve no Salão do Automóvel de São Paulo em 1986, apenas com carros importados devido ao boicote das montadoras nacionais, o que apenas comprovou o absurdo atraso brasileiro no setor.

E em 1993 chegou o que ficou conhecido por alguns anos como o último Camaro, a quarta geração, com linhas futuristas e mais fluidas. Ao longo dos anos, sempre houve a preocupação da GM de não permitir que o Camaro andasse tanto quanto o Corvette, carro de nível bem superior.

E em 2001, no aniversário de 35 anos do modelo, foi lançada uma série comemorativa, tanto no cupê quanto no conversível, exibindo faixas ao longo da carroceria. No mesmo ano, era encerrada a produção do carro.

Mas em 2006, nos salões de Detroit e Los Angeles, a GM apresentou um novo Camaro na forma de conceito, com linhas totalmente inspiradas nos modelos dos anos 1960, especialmente no modelo 1969. E na mecânica o carro também não faz feio, com um V-8 de 6,0 litros e 400 cavalos, igual ao Corvette básico. A produção em série se aproxima, marcada para 2008, e em 2006 um exemplar deixou muita gente babando no Salão do Automóvel de São Paulo, no Anhembi. Pena que não era amarelo…

Adicione seu comentário

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta