‘Como Nossos Pais’, de Laís Bodanzky, tem première mundial em Berlim neste sábado, dia 11

‘Como Nossos Pais’, de Laís Bodanzky, tem première mundial em Berlim neste sábado, dia 11

07/02/2017 0 Por Surya

Elenco1 de Como nossos pais, de Laís Bodansky - foto de Priscila Prade_0

PRIMEIRAS CENAS DO FILME MOSTRAM OS QUESTIONAMENTOS DE ROSA,  PERSONAGEM DE MARIA RIBEIRO, SOBRE SUA VIDA E ROTINA

O longa-metragem brasileiro “Como Nossos Pais” faz sua estreia mundial no próximo sábado, dia 11, na mostra Panorama Especial do Festival de Berlim, entre 9 e 19 de fevereiro. Estarão da première alemã a diretora Laís Bodanzky, que também assina o roteiro; os atores  Maria Ribeiro e Felipe Rocha; o também roteirista Luiz Bolognesi; os produtores Fabiano Gullane e Caio Gullane; o diretor de fotografia Pedro J. Márquez; a diretora de arte Rita Faustini; a coordenadora internacional da produtora Manuela Mandler e o distribuidor Jean Thomas, da Imovision. Além da première, o filme terá outras sete exibições em Berlim.

Estrelado por Maria Ribeiro, Clarisse Abujamra, Paulo Vilhena, Felipe Rocha, Jorge Mautner, Herson Capri, Sophia Valverde e Annalara Prates, o filme mostra nas primeiras cenas divulgadas (http://migre.me/vZopo) um pouco do que a produção do Festival de Berlim ressaltou ao anunciar sua participação: “a atuação dos personagens com suas paixões individuais e delírios existenciais encenados com uma naturalidade sublime”. A produção é da Gullane e da Buriti Filmes, em coprodução com a Globo Filmes e distribuição da Imovision.

Feliz com a participação em Berlim, a diretora Laís Bodanzky ressalta que estar no festival é um passo importante na carreira do filme. “É um festival que faz uma seleção rigorosa dos filmes e entrar na seleção já é passar por um filtro criterioso. Estar lá é estar sob um holofote de mercado. Cada filme é, de fato, um filho e esse não poderia ter nascido de forma melhor”, comenta.

Além da importância de levar o cinema brasileiro para Berlim, Laís destaca a relevância de mostrar o feminino nas produções audiovisuais. “É muito importante retratar o cotidiano da mulher, que é um tema muito contemporâneo. Quando se tem poucas mulheres dirigindo, se tem poucas mulheres colocando o seu ponto de vista. “Como Nossos Pais” é meu ponto de vista enquanto diretora e mulher, além de estar contando a narrativa de uma protagonista mulher nos dias de hoje”, explica a diretora.

Para o produtor Fabiano Gullane, ter o filme da Laís na seleção oficial do Festival de Berlim mostra como o cinema feito por ela está em sintonia com os temas e as discussões deste ano da Berlinale. Segundo ele, realizar a estreia mundial em Berlim e contar com a Wild Bunch como representante internacional de vendas permite traçar uma carreira do filme no mercado internacional.

O longa conta a história de Rosa (Maria Ribeiro), uma mulher dividida entre o cuidado com as filhas, os afazeres domésticos, a convivência com o marido e a relação conflituosa com a mãe. Em meio a tantos afazeres, ela começa a questionar a sua rotina e tentar se redescobrir.

Leia mais  InC lança curso de produção de séries para TV

Para download de imagens, acesse: http://agenciafebre.com.br/como-nossos-pais.

 

Exibições de Como Nossos Pais no Festival de Berlim

10.02                     10h              CinemaxX 7**

10.02                     17h              Cinemaxx 13 (Market screening)

11.02                     10h30m        CineStar3 (Press Screening)

11.02                     19h30m        International (Premiere)

12.02                     17h              Cubix 9

13.02                    22h30m        Colosseum 1

14.02                     9h               Cinemaxx 13 (Market Screening)

19.02                     14h30m        Cubix 9

 

 

Sinopse

Rosa é uma mulher que quer ser perfeita em todas suas obrigações: como profissional, mãe, filha, esposa e amante. Quanto mais tenta acertar, mais tem a sensação de estar errando. Filha de intelectuais dos anos 70 e mãe de duas meninas pré-adolescentes, ela se vê pressionada pelas duas gerações que exigem que ela seja engajada, moderna e onipresente, uma supermulher sem falhas nem vontades próprias. Até que em um almoço de domingo, recebe uma notícia bombástica de sua mãe. A partir desse episódio, Rosa inicia uma redescoberta de si mesma.

Ficha Técnica

Elenco: Maria Ribeiro, Clarisse Abujamra, Paulo Vilhena, Felipe Rocha, Jorge Mautner, Herson Capri, Sophia Valverde, Annalara Prates

Participação Especial: Herson Capri

Direção: Laís Bodanzky

Roteiro: Laís Bodanzky e Luiz Bolognesi
Direção de Fotografia: Pedro Márquez
Direção de Arte: Rita Faustini
Produtores: Caio Gullane, Fabiano Gullane, Laís Bodanzky, Luiz Bolognesi, Debora Ivanov

Produtor Associado: José Alvarenga Jr
Coordenação Executiva: Sonia Hamburger
Coordenação Financeira: Andréa Marcondes
Produção Executiva: Caio Gullane e Rodrigo Castellar
Produção: Gullane e Buriti Filmes
Coprodução: Globo Filmes
Distribuição no Brasil: Imovision
Vendas internacionais: Wild Bunch

A diretora

Laís Bodanzky dirigiu seu primeiro filme de longa-metragem em 2000: o aclamado Bicho de Sete Cabeças, que participou da Seleção Oficial de Toronto e vencedor de Melhor Filme em Biarritz, entre outros 46 prêmios nacionais e internacionais. Seu segundo longa, Chega de Saudade (coprodução com o Canal ARTE da França) venceu Melhor Filme em Tous Écrans Genève e outros 20 prêmios no Brasil e no exterior. A abertura de seu terceiro filme, As Melhores Coisas do Mundo aconteceu no Festival de Cinema de Roma. O filme ainda venceu como Melhor Filme no FICI Madrid e 19 prêmios em outros festivais. Foi lançado na Itália em 2011. Laís dirigiu um dos episódios do filme Invisible World para a Mostra Internacional de São Paulo, projeto que contou com nomes como Wim Wenders, Manoel de Oliveira, Atom Egoyan, entre outros. Como documentarista, dirigiu Mulheres Olímpicas a pedido da ESPN em 2013 e A Guerra dos Paulistas em 2002 para a TV Cultura. Seu primeiro trabalho documental foi realizado em 1999, Cine Mambembe, O Cinema Descobre o Brasil vencedor do prêmio TV Cultura no Festival É Tudo Verdade. Em 2014, codirigiu a série Educação.doc  exibida pela Globo News e pelo Fantástico. Em 2015, dirige dois episódios da segunda temporada de PSI para a HBO.

Leia mais  Charlie Hunnam fala sobre a preparação física para as filmagens de rei arthur: a lenda da espada em novo vídeo

Seus próximos projetos cinematográficos são os longas Como Nossos Pais – com previsão de lançamento para 2017 e o longa Pedro – em fase de desenvolvimento, previsto para lançamento também em 2017.

Na área musical, já realizou dois videoclipes do cantor e compositor Arnaldo Antunes. Produziu Fora de Si (2001) e dirigiu Essa Mulher (2002) – vencedor de melhor clipe do prêmio Multishow.

No teatro dirigiu a peça Essa Nossa Juventude em 2005, que foi indicada ao 18º Prêmio Shell de Teatro de São Paulo nas categorias Melhor Ator para Gustavo Machado e Melhor Cenografia para Cássio Amarante. E em 2011, dirigiu a peça Menecma de Bráulio Mantovani que foi indicada ao 24º Prêmio Shell de Teatro de São Paulo, na categoria Melhor Ator para Roney Facchini.
Sobre a Gullane

Fundada em 1996, a Gullane é uma produtora de conteúdo para cinema e televisão que mantém participação ativa no crescimento do audiovisual brasileiro. Sua missão é produzir temas cada vez mais relevantes para o mercado audiovisual, tendo o cinema como ferramenta de transformação social e cidadania. São mais de 40 filmes produzidos, sempre com o compromisso de unir o prestígio ao sucesso comercial. “O ano em que meus pais saíram de férias” de Cao Hamburger; “Chega de Saudade” de Laís Bodanzky; a animação “Uma história de amor e fúria” de Luiz Bolognesi; a franquia “Até que a sorte nos separe” de Roberto Santucci e os recentes “O lobo atrás da porta” de Fernando Coimbra, “Que horas ela volta?” de Anna Muylaert e “Tudo que aprendemos Juntos” de Sérgio Machado são alguns dos filmes realizados pela Gullane nos últimos anos. A qualidade técnica e artística identificada em cada produção tornou-se referência, garantindo à Gullane um espaço conceituado no mercado cinematográfico. Sua dedicação na produção é igualmente aplicada nas etapas de lançamento em festivais e no circuito comercial. Esse empenho permitiu à Gullane acumular mais de 200 prêmios em sua carreira, além de ter seus filmes nas seleções oficiais dos mais importantes festivais de cinema do mundo, como os de Cannes, Veneza e Berlim. Além das produções próprias, a Gullane amplia a carteira de projetos com parcerias importantes no Brasil e no exterior, com busca de financiamento e venda de filmes brasileiros junto ao mercado estrangeiro e com a realização de coproduções internacionais. Essas ações se refletem na ampla divulgação das obras e em uma rede formada por talentos de diversas partes do mundo. Por seu perfil empresarial, seu histórico criativo e seu expressivo volume de realizações audiovisuais, a Gullane está posicionada hoje entre as principais produtoras de conteúdo do Brasil.
Buriti Filmes

Leia mais  D23 | Confira resumão do que foi apresentado até agora, dia 1

Fundada no ano de 1997 em São Paulo – Brasil, a BURITI FILMES é uma produtora de conteúdo para cinema e televisão, liderada pelos cineastas Laís Bodanzky e Luiz Bolognesi.

Realizou os filmes Uma História de Amor e Fúria, As Melhores Coisas do Mundo, Chega de Saudade, Bicho de Sete Cabeças, Cine Mambembe, A Guerra dos Paulistas, Lutas.doc, Mulheres Olímpicas, Pare Olhe Escute e Educação.doc.

Atualmente desenvolve o projeto de documentário Pajé , o longa-metragem de animação Viajantes do Bosque Encantando e o longa-metragem Pedro. E também produz a série de documentários Juventude Conectada de cinco episódios com estreia no dia 18/07 no canal Futura e o longa-metragem Como Nossos Pais – com previsão de lançamento para 2017.

Possui mais de 120 prêmios nacionais e internacionais. Seus filmes foram exibidos nos cinemas de 6 continentes e vendidos para televisões em mais de 30 países, incluindo Canal Plus na Espanha e França, TV Arté na França e Alemanha, RAI na Itália, HBO na América Latina e TV Globo, ESPN, Globo News, Netflix e TVs Brasil, Arte 1, Canal Futura e Curta! no Brasil.

 

Globo Filmes

Desde 1998, a Globo Filmes já participou de mais de 200 filmes, levando ao público o que há de melhor no cinema brasileiro. Com a missão de contribuir para o fortalecimento da indústria audiovisual nacional, a filmografia contempla vários gêneros, como comédias, infantis, romances, dramas e aventuras, apostando na diversidade e em obras que valorizam a cultura brasileira. A Globo Filmes participou de alguns dos maiores sucessos de público e de crítica como ‘Que Horas Ela Volta?’, ‘Tropa de Elite 2’, ‘Se Eu Fosse Você 2’, ‘2 Filhos de Francisco’, ‘O Palhaço’, ‘Getúlio’, ‘Carandiru’ e ‘Cidade de Deus’ – com quatro indicações ao Oscar. Suas atividades se baseiam em uma associação de excelência com produtores independentes e distribuidores nacionais e internacionais.

 

Imovision

Distribuidora presente no Brasil há 25 anos, a Imovision vem se consolidando como uma das maiores incentivadoras do melhor cinema, tendo lançado mais de 300 filmes no Brasil.

A distribuidora tem em seu catálogo realizações de consagrados diretores internacionais e nacionais, e filmes premiados nos mais prestigiados festivais de cinema do mundo, como Cannes, Veneza, Toronto e Berlim. Mantendo seu foco em títulos de qualidade, a Imovision foi a responsável por introduzir no Brasil cinematografias raras e movimentos internacionais expressivos, como o Movimento Dogma 95 e o cinema iraniano.

Compartilhe: