Posts Relacionados

Pela primeira na história da San Diego Comic Con, a Netflix deu um grande destaque no Hall H para sua nova série baseada no mangá Death Note. E também para seus outros filmes.

Quando o moderador Terry Crews deu as boas vindas ao elenco e equipe de criação de Death Note, juntaram-se a ele o realizador Adam Wingard, os produtores Masi Oka e Roy Lee, assim como os astros Nat Wolff, Margaret Qualley e LaKeith Stanfield.

Foi exibido o trailer do filme, que mostrou Light (Wolff) enquanto ele obteve o Death Note e decidiu começar a exterminar os criminosos como Kira.

Logo após o trailer, Wingard destacou que esta série baseada na obra de Tsugumi Ohba e Takeshi Obata, irá explorar vários temas, incluindo o Bem contra o Mal, obviamente. Wolff disse que, em preparação para o filme, fez o seu próprio Death Note. Afirmou que o início foi lento, mas, depois, “os nomes começaram a sair da minha caneta.” Disse ainda que tamanho poder é muito tentador.

Stanfield, que faz “L”, pareceu estar em seu personagem durante o painel, e disse que a sua cena favorita foi o confronto de “L” com Light. Relatou ainda que “L” é um personagem tão estranho que lhe deu a liberdade para ser ainda mais estranho no seu desempenho. O painel foi na sequência interrompido pela voz de Willem Dafoe, como o demônio Ryuk. A voz é a cena do primeiro encontro de Light com Ryuk, no qual este se convence que Ryuk é apenas um sonho. Por sua vez, Ryuk encoraja Light a levar a cabo a sua primeira morte com o Death Note, mas o clip termina antes que essa morte ocorra.

Wingard destacou que a cena com Ryuk foi filmada como um filme de terror, mas que Death Note é uma mistura de vários generos, incluindo thriller e romance. Disse que estava grato pela oportunidade de aplicar a sua própria abordagem a Death Note, apesar de já ter sido previamente adaptada (Death Note possui 3 Lives, um Dorama – “uma série live action”, além do anime). Wingard acrescentou já que não existam muitas boas adaptações de manga para o público americano, não era motivo de não o fazer. Finalizou dizendo que a diferença chave neste filme é o envolvimento direto dos criadores, e que eles ficaram satisfeitos com o resultado final.

Portanto, para os fãs críticos de plantão, a resposta se é válido ou não esta adaptação (leia-se ADAPTAÇÃO), está aí. Os criadores estão envolvidos no projeto.

Adicione seu comentário VIA FACEBOOK

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *