Posts Relacionados

Dylan Branson (Michiel Huisman) é um homem que tem a sua vida permanentemente mudada quando uma série de eventos se repete exatamente no mesmo horário todos os dias, às 2:22 da tarde. Quando Dylan se apaixona por Sarah (Teresa Palmer), uma jovem mulher que tem sua vida ameaçada pelos eventos ocorridos, ele deve resolver o mistério que o cerca para preservar o amor que a vida lhe ofereceu como uma segunda chance.
2:22 Encontro Marcado é um filme que se inicia com um conteúdo cheio místico, até um pouco astronômico e seguindo para um lado social. Pelo trailer, parecia ser algo como Feitiço do Tempo ou outros tantos filmes onde o personagem é obrigado a viver o mesmo dia várias vezes. E ele realmente vive, mas apenas as situações.
Dylan é um personagem que vê padrões em tudo. E o mundo ao seu redor dá essas conexões. Ele busca desesperadamente encontrar as respostas para o que está acontecendo com ele e somos transportados para este thriller como verdadeiros detetives do tempo.
Através das câmeras, onde o diretor utiliza os mesmos efeitos de um vídeo clipe, olhamos cada detalhe do que está na tela. Buscamos os padrões e os encontramos. Mas para que eles servem? E quando descobrimos no final junto a Dylan, ficamos nenhum pouco entusiasmados.
Infelizmente a história é totalmente focada na busca. Nos padrões e nas frases filosóficas. O questionamento e as consequências do que Dylan faz durante o filme, não trazem nada. Ele pode ser “culpado” por uma batida de um carro, brigar com o ex de sua namorada, quase matar centenas de pessoas, que isso praticamente não traz um pingo de sentimento para quem assiste ao drama.
O filme é bom! Mas cai por terra quando tentamos ter alguma ligação com o personagem central. Não há. E o antagonista que é apresentado, ou melhor, jogado para nós, é fraco e sem sentido.
Um filme que busca trazer conexões, é totalmente desconexo em sentimentos.
2:22 Encontro Marcado, “marca” mais um ano de lançamentos de filmes do gênero, onde os produtores falam sobre destinos. Algo como o seriado The OA do Netflix ou No Limite do Amanhã com Tom Cruise. Mas estes dois, principalmente o último, conseguimos ter uma conexão com o personagem e a história.
Este poderia ter sido sem dúvida, o melhor filme do gênero. Mas peca em focar no visual.
De qualquer forma, vá ao cinema! Confira por si e marque um encontro com os amigos para se divertir e tenha a sua própria experiência!

E que subam as cortinas! Até a próxima!

 

 

Powered by flickr embed.

Compre o livro na amazon: bit.ly/estradaparayellowrose

Adicione seu comentário VIA FACEBOOK

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *