O título não é nosso. É do próprio Danilo Gentili. Foi assim que em entrevista para imprensa, no dia 05 de outubro, ele definiu o seu filme.

Para quem for aos cinemas, principalmente se for daquela época, irá perceber o quanto as pessoas definem tanto as coisas atualmente.

Como se Tornar o Pior Aluno da Escola é um filme que bebe de Curtindo a Vida Adoidado do começo ao fim. Além de Porkys e outras películas da época com alunos em festas, que cabulavam aulas, enganavam seus pais e professores etc. Além de uma trilha sonora de época, que traziam em suas letras a liberdade de expressão, como Twisted Sister com o seu I Wanna Rock.

A pergunta que sei que não quer calar é: Ele é bom?

Ele é exagerado! O filme tem a necessidade de contar a piada e depois explicá-la. Não tem necessidade quando já se está rindo. Esse é um dos pontos negativos desse filme. De restante, o filme de Danilo e do diretor Fabrício Bittar, é engraçado. É uma porrada em forma de resposta a tantos “mimis” atuais em qualquer filme, série, livro e até mesmo piada. O mundo se tornou o “reino” de onde todos tem resposta para tudo. Em sua grande maioria, são como aquele aluno da escola que sentava ali na frente, tinha resposta para todas as questões e ainda debatia a língua portuguesa da prova com o Professor de Matemática.

Não que Danilo e seu filme sejam os grande ideias e correto em tudo. Mas sabemos que muitos filmes como De Volta para o Futuro, próprio Curtindo a Vida Adoidado, Blade Runner, mesmo Star Wars e Star Trek, seriam massacrados hoje pela “censura” imposta por uma população que se diz contra a “censura”, mas censura tudo o que vê, pois procura “pelo em ovo” e se não acha, desenha o maldito.

Leia mais  Star Wars | Brasileiros poderão conhecer e adquirir os brinquedos de Star Wars – O Despertar Da Força a partir desta sexta-feira

A história do filme é batida e o filme cheio de clichês. Mas é isso mesmo que ele se propõe a ser. Brincar e fazer gozação com os estilos de filmes corretos, com a vida “correta” das pessoas e como elas escondem um lado “darkside” e uma fachada por terem títulos e diplomas em suas paredes.

É feita uma bela crítica no início e fim do filme ao estilo de ensino brasileiro. Algo que os pais que foram alunos ontem e seus filhos hoje, irão se olhar e dizer: Não mudou nada!

A participação de atores como Moacir Franco e Fábio Porchat, além de uma rápida aparição de Rogério Vilela, apenas agregam nas piadas e a crítica bem humorada ao ser humano.

Os atores mirins estão muito bem em seus papéis. Não ficam constrangidos em cenas que envolvem a temática sexo, apelidos degradantes (ainda fazem uma famosa pegadinha com isso com Danilo), bebidas alcoólicas etc.

Carlos Villagrán, o eterno Kiko, como o diretor Ademar, é algo totalmente a parte! Ele consegue criar um personagem tão perfeito, que se não soubéssemos que era ele, não íamos ficar esperando por algumas frases vindas da série Chaves. O ator está muito confortável em seu papel, principalmente na cena em que discute com o Pior Aluno, interpretado pelo péssimo Danilo Gentili. Que não esconde não ser ator e ainda brinca com isso durante a história.

Outros atores mais veteranos da televisão e cinema, como Joana Fomm, dão medo! Lembram aqueles nossos professores que apenas com um olhar já nos congelavam na cadeira e pareciam ler nossa alma. Outros tinham até Visão Além do Alcance e sabiam onde estava a cola. Não que algum dia eu tenha colado em alguma prova… espero que nenhum dos meus colegas de classe estejam lendo isso.

Leia mais  LaRusso vs Cobra Kai, 33 anos depois

Voltando… É interessante perceber também, que muitos pais que irão conferir no cinema, mostrarão aos seus filhos que um dia foram alunos. E acabarão confessando algumas peraltices de infância. Não é nada degradante. É apenas ficar mais próximo a essas novas gerações para que eles percebam que somos mortais como elas. Que cometemos erros, tivemos medos de muitas provas, mas conseguimos passar pelo pesadelo de certas salas de aulas e professores. E lembrar também com carinho de alguns outros.

A escola não molda o caráter das pessoas. Nem mesmo o filme do Danilo Gentili. O que molda, são os valores familiares. Portanto, vá tranquilo assistir a esse filme que é para maiores de 14 anos. Divirta-se sem procurar “pelo em ovo”. Dê risada, participe um pouco mais.

Porque dessa maneira, podemos evitar filmes com o título: “Como se tornar a pior pessoa do mundo”. Espera, acho que já tem esse filme…

Bernardo (Bruno Munhoz) e Pedro (Daniel Pimentel) são estudantes e enfrentam as clássicas tarefas de cumprir as obrigações escolares, tirar boas notas, ter bom comportamento e cumprir as regras da escola, cada vez mais elaboradas graças ao diretor Ademar (Carlos Villagrán). Frustrados, Pedro acaba encontrando um diário de como provocar o caos na escola sem ser pego, o que leva os dois amigos a seguirem as dicas do caderno.

Compre o livro na amazon: bit.ly/estradaparayellowrose

Adicione seu comentário VIA FACEBOOK

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *