Drama: ON

Sinopse: Mulder e Scully divagam sobre o seu relacionamento profissional e
pessoal, após um duro golpe.

TituloFF: Dubitatio

NomeAutor: Patricia Emy

EnderecoEletronico: patricia_emy@hotmail.com

TextodoFanfic: Título: Dubitatio
Autora: Patricia Emy
Email: patricia_emy@hotmail.com
Classificação: Post-episode/Vignette
Disclaimer: Fox Mulder, Dana Scully, Walter Skinner e demais personagens
pertencem a Chris Carter, a 1013 Productions e a 20th Century Fox. Não há
intenção alguma de infringir as leis de direitos autorais.
Spoilers: En Ami
Sinopse: Mulder e Scully divagam sobre o seu relacionamento profissional e
pessoal, após um duro golpe.

– x –

D u b i t a t i o

Patricia Emy

 

EDIFÍCIO J. EDGAR HOOVER, SEDE DO FBI
WASHINGTON, D.C.
Segunda-feira

Aquelas palavras a tocaram fundo, por mais que se recusasse a admitir. Como
aquele homem, de quem nunca escondera o seu profundo desprezo, podia enxergar
através dela e lhe dizer o que tinha medo de admitir para si mesma?

A verdade.

Sim, ela morreria por seu parceiro, assim como ele lhe confiaria sua vida. Mas
não se permitiria amá-lo.

Como jamais se permitira amar ninguém.

Encostada em sua cadeira, soltou um longo suspiro, olhando para a porta.

Já eram dez horas da manhã.

Ela pegou o telefone, mas logo o colocou de volta no gancho.

Seria a quinta ligação. Em uma hora.

‘Duvido que ele queira falar com você’, pensou consigo mesma, ‘Ou já teria
ligado de volta.’

Por mais que tentasse ignorá-las, as lembranças do dia anterior insistiam em
retornar.

O olhar dele transparecia a dor e a decepção.

Aquilo foi ainda pior do que a consciência do que fizera.

Ele não lhe dissera com todas as palavras, mas estava bem claro. Assim como as
intenções daquele homem que se dizia às portas da morte e que lhe revelara o
último desejo de se redimir dos atos que cometera.

Apelando para o seu senso de justiça, cutucando velhas feridas.

Era tudo tão óbvio.

Só que estava perto demais para poder enxergar.

Quão ingênua ela fora, a ponto de se deixar envolver por promessas vazias? Tal
pensamento a torturava, como a certeza de que magoara profundamente a única
pessoa em quem confiava.

Levantou-se e saiu, como se procurasse longe dali o alívio para culpa que lhe
atormentava a alma.

 

– x –

 

APARTAMENTO DE FOX MULDER
ALEXANDRIA, VIRGINIA
11:21

Ele olhou para o relógio e viu que estava irremediavelmente atrasado para o
trabalho. Mas não se moveu, deitado no sofá, o paletó jogado aos seus pés, o nó
da gravata ligeiramente afrouxado. Olhava para o teto, pensativo, enquanto
lutava contra dois sentimentos antagônicos dentro de si. Por um lado, sentia-se
culpado por estar deliberadamente ignorando as mensagens que ela lhe deixara na
secretária eletrônica. Por outro, queria que ela experimentasse o que ele estava
sentindo. Essa sensação que o incomodava desde o desfecho daquela farsa
orquestrada por aquele homem, da qual sua parceira fizera parte.

Estava furioso. Desapontado. Magoado. Não sabia descrever o que sentia naquele
momento, nem o que sentia agora.

Era difícil para ele acreditar que Dana Scully tenha acreditado nas palavras de
um homem que os enganara antes, manipulando-os a seu bel-prazer, como peças de
seu jogo doentio, servindo apenas aos seus interesses escusos.

Não, Scully não o trairia. Não depois de tanto tempo. Depois de tudo.

Então, porque se sentia assim?

Sabia muito bem o porquê. Ela mentira para ele. E isso doeu. Doeu mais do que
qualquer coisa.

Eram parceiros, confiavam um no outro, mas, antes de tudo, eram amigos e isso ia
muito além do trabalho que os unia.

Ela não tinha esse direito.

Recriminou-se por causa deste pensamento, ainda que não pudesse evitá-lo.

Como se um simples pedido de desculpas pudesse apagar todo e qualquer
ressentimento.

Não pode acabar desta maneira.

Ele se levantou, pegou o casaco e saiu apressado.

 

– x –

 

EDIFÍCIO J. EDGAR HOOVER, SEDE DO FBI
13:10

Walter Skinner examinava alguns relatórios em sua mesa quando ouviu uma voz
chamando pelo seu nome.

“Eu pedi para não ser interrompido, Kimberly”, ele ergueu o olhar visivelmente
contrariado.

“O Agente Mulder quer vê-lo, senhor”, ela respondeu.

“Mande-o entrar.”

A secretária assentiu com a cabeça, dando passagem para o agente, que aguardava
do lado de fora com certa impaciência.

“Senhor?”

“Agente Mulder”, Skinner se levantou, notando o seu ar preocupado, “Algum
problema?”

“Estou procurando pela Agente Scully.”

“Eu não a vi hoje, Mulder”, o diretor-assistente foi até a porta e chamou pela
secretária, que já tinha o telefone em mãos, “Kimberly, por favor, verifique se
a Agente Scully se encontra no prédio.”

Em instantes, ela os informou que Scully chegara no horário de sempre, mas que
saíra duas horas depois, sem reportar isso a ninguém.

Mulder sentiu algo apertar-lhe o estômago.

Aquela sensação voltara, por mais que lutasse contra ela.

“Obrigado”, disse simplesmente antes de partir.

“Agente Mulder?”, Skinner chamou por ele no corredor.

“Senhor?”

“Está tudo bem?”

“Sim, senhor.”

“Mantenha-me informado.”

“Farei isso.”

Onde ela estaria agora?

Chegando ao estacionamento, ele entrou no carro e saiu.

 

– x –

 

APARTAMENTO DE DANA SCULLY
GEORGETOWN
14:46

Bateu à porta, receoso. Por um breve momento, sentiu-se aliviado por não obter
resposta.

“Ela não está em casa.”

O som daquela voz fez com que se virasse, ao mesmo tempo em que sua mão se movia
em direção ao coldre em sua cintura em um gesto automático.

“O que faz aqui?”, Mulder vociferou, engatilhando a arma e apontando-a para o
vulto que, impassível, levou um cigarro à boca e o acendeu.

“Agente Mulder”, ele finalmente se pronunciou, seu rosto parcialmente escondido
pelas sombras naquele corredor estreito, “… não creio que isso vá nos levar a
lugar algum.”

“O que quer com ela? Já não conseguiu o que queria?”

“Acha mesmo que ela o traiu, Mulder?”

“Você a usou.”

Os olhos frios daquele homem contrastavam com a fúria em seu olhar. A tensão
entre os dois era quase palpável.

“Temo que subestime a sua parceira e isso me surpreende, pois esperava mais de
você. Embora admire a paixão com que se dedica à sua causa, ela o torna
vulnerável e passível de cometer erros de julgamento. Precisava de alguém que
enxergasse as coisas por um outro prisma e, por esta razão, escolhi a Agente
Scully.”

“Para servir a sua maldita agenda? Ela poderia ter morrido por sua causa!”

“Está simplificando as coisas, como sempre. Eu jamais a colocaria em risco. Sabe
disso melhor do que ninguém.”

“Acha que eu acredito em suas mentiras?”, Mulder sorriu, sarcástico.

“Não. Mas creio que está se deixando guiar pela sua visão limitada dos fatos a
ponto de não enxergar a verdade diante de seus olhos.”

“Foi isso que disse a Scully?”

“Se acha realmente que a enganei, então não conhece a grande mulher que esteve
ao seu lado durante todo esse tempo.”

‘Maldito seja!’, pensou Mulder, lutando contra o impulso de apertar o gatilho e
mandá-lo para o inferno. Após um longo impasse, o agente federal baixou a arma e
o deixou partir. O cheiro da nicotina impregnava o ar ao seu redor, enquanto a
nuvem de fumaça se dissipava lentamente, apagando os vestígios de sua breve
‘visita’.

Suas palavras, no entanto, permaneceram.

 

– x –

 

17:28

Ela voltara para casa depois de rodar sem destino certo por toda a cidade.
Estava exausta, física e mentalmente. Saíra do trabalho naquela manhã sem dar
satisfação a ninguém, mas isso não era a maior de suas preocupações. Pensava em
seu parceiro, que não dera sinal de vida deste a noite passada, depois de
retornarem do suposto ‘escritório’ do tal C.G.B. Spender, vulgo Canceroso, agora
uma sala vazia, cujo destino dos antigos ocupantes ninguém sabia informar.

Um ardil meticulosamente arquitetado para executar uma sofisticada operação de
queima de arquivo. Um plano do qual ela inadvertidamente fizera parte e quase
pagara com a vida por isso, não fosse a provável interferência do responsável
por tudo.

Ele a usara.

De novo.

Como fora usada antes para garantir que Mulder continuasse longe da verdade. Sua
abdução. O câncer. E, agora, isso.

‘Encare os fatos, Dana. Você estragou tudo.’

As coisas jamais seriam as mesmas entre eles. E saber disso fazia com que
sofresse ainda mais.

Estava a alguns passos da porta de seu apartamento quando o viu, parado no
corredor.

“Mulder?”

Os dois trocaram olhares por alguns instantes, sem dizer uma única palavra.

“Procurei por você esta manhã”, ele comentou, “Onde esteve?”

Ela franziu a testa, e ele percebeu o que acabara de fazer.

Amaldiçoou a si mesmo mentalmente.

“Eu… só estava preocupado. Skinner me disse que você saiu sem avisar ninguém.”

“Agradeço a sua preocupação, mas eu estou bem, Mulder”, ela respondeu secamente
enquanto destrancava a porta.

“Scully, eu…”, ele hesitou por um momento, então se aproximou, “Eu só queria
lhe dizer que eu sinto muito…”

Ouvi-lo dizer aquilo era mais do que podia suportar. Ela abaixou a cabeça, se
recusando a encará-lo de frente.

“…Sinto muito por duvidar de você, por questionar a confiança e o respeito que
existe entre nós…”, ele continuou, “Por bancar o idiota, e por deixá-la no
escuro tantas vezes antes… Sei que sou a última pessoa que poderia reclamar
sobre isso, saindo por este mundo afora em busca de alguma pista qualquer sem
dar satisfação alguma, mas a verdade é que eu me preocupo com o que pode lhe
acontecer e me incomoda saber que eu posso não estar por perto quando você
precisar.”

“Mulder…”, ela o fitou nos olhos, “…sou eu quem lhe deve desculpas. Por não
confiar em você.”

“Sei que teve seus motivos.”

“Mas nada justifica o que fiz. Por mais que acreditasse estar fazendo a coisa
certa, o preço a pagar seria alto demais.”

“Scully…”

“Eu não sei se um dia vou conseguir me perdoar…”, ela desviou o olhar, como se
não quisesse que ele visse o brilho das lágrimas que se formavam em seus olhos.

“Shhhhh”, ele a puxou para junto de si e deixou que repousasse a sua cabeça em
seu peito, acariciando-lhe os cabelos, “Vai ficar tudo bem, Scully. Nós vamos
ficar bem.”

Ele a abraçou, deixando que finalmente desabafasse. Eram lágrimas de alívio,
rolando livremente pelo seu rosto, levando consigo a dor e a culpa.

 

F I M

 

– x –

 

Feedbacks são bem-vindos! 🙂

Paty

Vamos falar mais sobre o Superman

Adicione seu comentário VIA FACEBOOK

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *