FAN FICTION

AUTORA : Sky

E-MAIL : pisosul@uol.com.br

DISCLAIMER : Os personagens desta estória pertencem aos seus criadores e divulgadores, minha única intenção é o entretenimento de fãs que, como eu, apreciam o seriado, não há nenhum interesse lucrativo.

CLASSIFICAÇÃO : Shipper

SPOILER : En Ami

SINOPSE : Como poderia terminar o clima de ressentimento e desconfiança entre os agentes
após a viagem de Scully.

OBSERVAÇÕES : Aguardo um Feedback, pleeeeeaseeeeee, por favor, digam o que acharam.

 

INIMIGO ÍNTIMO

 

 

 

 

 

 

 

” Às vezes, o ressentimento toma proporções alarmantes em nossos corações e cabe a nós transformá-lo em nosso inimigo íntimo ou em nosso aliado na conquista de um desejo.”
Sky

 

Scully não conseguia acreditar que havia sido enganada, vasculhou todo o prédio em busca de alguma pista mas não encontrou nada, enquanto Mulder a seguia um pouco contrariado.

__ Scully, não tem nada aqui ! __ ele falou irritado __ Não percebe ? Eles só te usaram !

Eles agora estavam próximos à saída e ela parou para encará-lo, não sabia se a irritação dela era por ter sido feita de boba ou pelo jeito com que Mulder a olhava .

__ Me usaram para que, Mulder ? Ele não me pediu nada ! Ao contrário, me levou para ver pessoas, aquele menino tinha um implante no pescoço, igual ao meu ! Porque ele iria querer me mostrar isso ? Pra nada ?

Ela entrou no carro e aguardou que ele fizesse o mesmo antes de sair rapidamente, ficaram silenciosos, cada um imerso em seus próprios devaneios.

Os pensamentos tumultuados dela não impediam que reparasse no jeito como o parceiro a fitava, como se esperasse que ela lhe desse alguma explicação razoável para tê-lo traído daquela forma, ter aceito o convite do Canceroso sem avaliar os riscos, mas ela pensara em tudo isso. Ele sempre a recriminara por não se deixar levar pela intuição e quando ela fazia isso ele a recebia daquela forma. Olhou de soslaio para ele pensando __ Porque ele está desse jeito ? Parece até que fiz alguma coisa errada ! Ele sempre fez isso, sumiu sem deixar notícias, talvez isso seja bom para que ele saiba como é ruim !

__Porque fez isso, Scully ? __ ele divagava com os olhos fixos no painel do carro __ Poderiam ter te matado ! Você foi irresponsável__ Tinha vontade de jogar isso na cara dela, não sabia exatamente porque estava tão irritado, ele sempre agira assim e ela dificilmente o recriminava tão duramente. Exceto__ Ele pensou__ Quando ele embarcara num navio fantasma__ Ele olhou para o reflexo dela no vidro__ Eles te fizeram de idiota, Scully __ pensou __ Como já aconteceu comigo.

Ele tamborilava os dedos no painel, visivelmente alterado. Queria que ela percebesse o quanto a atitude dela o tinha desagradado e ela se recolheu num mutismo desconcertante até que pararam em frente ao prédio dela.

__ Deixe o CD comigo, Mulder __ ela pediu abrindo a porta __ Pode levar o carro, se quiser .

__ O que vai fazer ? ___ disse sem se mexer.

__ Não sei o que aconteceu mas vou descobrir !__ falou obstinada

__ Scully você não vai atrás dele ! __ Era mais uma ordem que um pedido.

Ela bateu a porta do carro e entrou no prédio contrariada e ele não teve outra alternativa senão seguí-la. Entraram no apartamento dela e ele fechou a porta com raiva.

__ Não vê que é isso que ele quer ? Te deixar intrigada, fazer com que volte a procurá-lo ? Teve sorte uma vez mas não sabe o que ele pode te fazer. Não vou permitir que você vá !
__ Quem você pensa que é para me impedir, Mulder ? O chefe ? __ ela disse aproximando-se dele __ Sabe o que essa tecnologia pode fazer pelas pessoas ?

__ Você não viu nada Scully ! __ Mulder continuou chegando-se bem próximo a ela __ Tudo o que eles fizeram até agora foi matar pessoas, o que a faz pensar que ele faria alguma coisa diferente agora !

__ Ele já me salvou uma vez, Mulder, você mesmo levou a cura até mim !

Aquela lembrança bateu sobre ele com violência, fazendo-o voltar a um tempo amargo, onde todos os sentimentos tinham ficado tão expostos que ele não descartou a possibilidade de abandonar tudo, juntar-se ao inimigo, simplesmente para poder voltar a ver aqueles belos olhos azuis dirigidos para ele, exatamente como agora, inquisidores, determinados, seguros e amados. Respondeu lentamente sem , no entanto, medir o que falava

__ Mas ele primeiro te deixou doente, Scully, quase te matou para depois convenientemente te oferecer uma cura, ele fez isso para ganhar confiança, para ver se mudávamos de lado.

__ Como assim ? O que quer dizer !

__ Scully, me escute __ ele queria contemporizar e puxou-a até o sofá __ Não sei qual era a intenção dele , mas porque ele mudaria a forma de pensar agora ?

__ Ele está morrendo, Mulder ! __ ela disse sem muita convicção, relutando em admitir que Mulder estava certo ao lembrar dos momentos que passou com aquele homem estranho, que a havia tratado com tanta gentileza, apesar da repulsão que ele sabia que ela sentia por ele.

__ E porque não usa a tecnologia para se salvar, pelo amor de Deus, Scully, o que há com você ?__ ele não podia acreditar que o Canceroso havia conseguido conquistar assim a confiança dela, fazendo com que ela agisse sem questioná-lo, coisa que ela nunca fazia nem com ele mesmo, o parceiro que estava ao seu lado há sete anos.

__ O que há com você, Mulder ?__ ela interrompeu se levantando irritada __ Não quer saber ? Não tem curiosidade ? Esse é o seu trabalho ! Porque está aqui discutindo comigo o que eu devo ou não fazer, você sempre fez só o que quis, porque quer me impedir agora !

Ele ia interromper mas ela não permitiu, continuou alterando o tom de voz.

__ Deste que eu cheguei você só me recriminou, não se interessou pelo que eu tinha pra contar, passou o tempo todo me olhando com raiva, como se eu tivesse te roubando alguma coisa ! É o meu trabalho também Mulder, não é só seu…

Ele se levantou e a agarrou pelos ombros, enterrando os dedos na pele macia, parecendo que ela ficara ainda menor diante dele enquanto mergulhava os olhos brilhantes na face dela, tão próximo que ela podia sentir o hálito quente dele contra seus cabelos.

__ Pro inferno com o trabalho e a ciência, Scully ! Não quero saber de nenhuma droga de tecnologia se ela colocar em risco a sua vida. O que acha que eu senti te imaginando nas mãos daquele homem ? Sem saber onde estava ? Ele quase te matou uma vez e eu não iria agüentar isso de novo. Pouco me importa quantas vidas possam ser salvas se eu perder a sua ! Não vê ? Nada disso teria significado para mim se ele me tirasse você.

 

A emoção nas palavras dele era tão grande que ela não conseguia desviar os olhos rasos de lágrimas dos dele e sem se importar com a dor que estava sentindo pelos dedos dele cravados em seus braços. Apenas agora compreendendo o que afligia o parceiro, o que significava aquele olhar torturado que ele lhe dirigira o tempo todo. Seu coração se aqueceu ante àquela revelação, toda a raiva desaparecendo para dar lugar a um sentimento cálido e terno que tomava todos os seus sentidos.

__ Era isso que te preocupava, Mulder ? __ ela sussurrou esboçando um sorriso.

__ Eu odeio você, Scully ! __ ele falou desviando os olhos e soltando os braços dela .

Caminhou a passos largos pelo apartamento sem no entanto se dirigir à porta, agia como se estivesse sozinho, todos os pensamentos tumultuados, os sentimentos expostos diante daquela pequena mulher que havia se infiltrado e dominado totalmente sua vida.

__ Me odeia tanto que não pode viver sem mim, Mulder ? __ ela agora provocava uma reação, reação que já vinha aguardando há muito tempo e que não ia deixar passar agora.

Mulder se voltou e tomou o rosto dela entre as mãos, fazendo-a colar o corpo ao dele.

___ Porquê faz isso comigo, Scully ? __ perguntou com voz súplice __, Me enlouquece pensar que alguém possa te machucar, te fazer algum mal . Eu amo você, sua maluca, quantas vezes vou ter que te dizer isso até você acreditar !

___ Nenhuma mais __ ela murmurou envolvendo-o nos braços e aproximando os lábios.

O clima intenso que eles viviam pela discussão que estavam tendo não desapareceu, apenas mudou de tom, intensificando-se ainda mais, seus lábios se encontraram num beijo cheio de paixão. Estavam ofegantes enquanto suas línguas se encontravam e se exploravam, as mãos correndo pelo corpo numa tentativa impossível de se aproximarem mais.

Scully colocou as mãos sob o casaco dele, sentindo o calor do corpo embaixo da malha fina, Mulder soltou os braços e abriu os olhos para fitá-la enquanto deixava o blazer escorregar pelos braços com a ajuda dela.

__ Tem certeza ? __ perguntou com a voz rouca

Ela limitou-se a balançar a cabeça, a mente atordoada demais para elaborar alguma resposta e também tirou o casaco em sinal de confirmação.

Mulder subiu as mãos pelos quadris dela, percorrendo com as mãos fortes toda a extensão seu corpo que se encaixava perfeitamente sob seu toque, passou pela barriga, subindo pela cintura até encontrar os seios e puxou-a mais, levantando-a do chão e conduzindo-a até o quarto.

Ela lembrou-se tardiamente que havia acabado de chegar de viagem, estava coberta de pó, sempre pensara neste momento e se imaginara completamente perfumada, com uma roupa como o vestido que usara no jantar com o Canceroso, num clima de romantismo que deixaria por terra qualquer argumento lógico que ela pudesse ter. Sua racionalidade fez com que ela quebrasse o clima que havia se tornado assustadoramente quente entre eles.

__ Queria trocar essas roupas Mulder __ falou com voz entrecortada __ Tomar um banho…

 

Ele se afastou e a olhou divertido, demonstrando a tensão que tomara conta dele .

__ Dessa vez você não vai escapar Scully ! __ sorriu levando as mãos à camisa dela __ Podemos fazer isso juntos___ concluiu procurando os lábios dela __ Depois.

Seus lábios desceram para o pescoço dela enquanto lhe tirava a camisa e ela não pôde mais resistir, colocou as mãos sob a blusa dele e Mulder se afastou apenas o tempo necessário para ajudá-la a tirar a peça e largar no chão.

Os dedos dela corriam trêmulos pelas calças dele numa tentativa apressada de livrá-lo da roupa, em poucos minutos estavam nus, a altura desproporcional causando um certo desconforto. Ele a deitou sobre a cama e, controlando todos os seus instintos, respirou fundo para não se deixar levar pela ansiedade, queria conhecê-la por inteiro, gravar cada detalhe do corpo dela em sua mente, havia desejado aquilo por tanto tempo que não deixaria que tudo acontecesse às pressas, malgrado a excitação que se espalhava pelo seu corpo.

Fixou os olhos nos dela e sorriu ao ver a expressão tão diferente da parceira que ele conhecia tão bem, os lábios entreabertos, os olhos intensamente azuis que o fitavam com o mesmo sentimento que ele desfrutava, as mãos dela sobre sua nuca, obrigando-o a colar os lábios nos dela, espalhou uma corrente elétrica pelo seu corpo.

Começou a beija-la lentamente, apreciando e saboreando cada instante, seus lábios conhecendo-lhe todos os segredos , os seios pequenos e bem feitos, que se encaixavam perfeitamente nas mãos dele, a curva sinuosa da cintura . Scully apenas deixava escapar suspiros ocasionais, os olhos fechados sentindo cada toque, cada carícia até que não suportou mais e colocou as mãos nos ombros dele e o forçou a subir.

A fisionomia dela estava completamente alterada pelo prazer daquelas sensações e ele ficou encantado com o jeito dela, sorriu ao voltar a abraçá-la e começou a sussurrar frases em seu ouvido que a estavam fazendo perder totalmente a razão. Ele tinha intenção de prolongar ainda mais aquela exploração mas ao ouvi-la murmurar em seu ouvido, também não foi capaz de segurar .

__ Mulder, por favor __ ela conseguiu dizer numa voz extremamente baixa e rouca .

Ele se encaixou entre as pernas dela, a diferença de altura desaparecendo completamente quando seus corpos de uniram, restando apenas os sons abafados da pura excitação que os consumia. Suas vozes e respirações se confundiram quando com pequeno intervalo ambos chegaram ao clímax, deixando que fossem preenchidos com o êxtase que se espalhava pelos seus corpos trêmulos e suados.

Permaneceram abraçados até que ele girou na cama e a colocou sobre seu peito, puxando os cabelos dela para trás, deixando o rosto tranqüilo e molhado da parceira a mostra.

___ Scully… foi maravilhoso ! __ disse com expressão feliz

Ela sorriu enquanto acariciava o peito dele e lhe beijava as faces com ternura.

___ Amo você, Mulder, tanto que não sei se serei capaz de demonstrar __ disse com voz serena e segura.

___ Você já me mostrou, Scully e não só aqui __ completou com um gesto para a cama

 

 

Ela também se sentia diferente, o término daquela tensão constante que sempre existira entre ambos, fazia-a sentir-se mais leve, mais confiante, a certeza de que o sentimento que lhe inundava a alma era correspondido pelo objeto de sua devoção, dava-lhe uma deliciosa sensação de bem estar e ela deixou toda timidez de lado para explorar aquele corpo, sob o olhar extasiado dele. Suas mãos percorreram os braços, que tantas vezes a haviam recebido com carinho, enquanto sua boca conhecia o gosto e a rigidez da pele dele, descendo pelo peito, em carícias lentas e disciplinadas.

Mulder deixava que ela continuasse sua exploração mas não conseguiu abafar a exclamação de prazer que saiu de seus lábios quando as mãos dela alcançaram sua virilha .

__ Meus Deus, Scully ! __ falou agarrando-se aos lençóis__ O que está fazendo ?

Ela sorriu e continuou até que ele não suportasse mais de excitação, então voltou a deitar-se sobre ele, encaixando as pernas em volta de seu quadril, acariciou-lhe o cabelo e encostou os lábios em seu ouvido, fazendo-o suspirar sem querer.

__ Estava apenas verificando se você ainda está disposto a continuar, Mulder __ fitou-o maliciosa.

__ Está brincando !? __ ele mal conseguiu dizer enquanto ela lentamente descia os quadris sobre suas pernas e fechou os olhos para aproveitar a incrível sensação de estar ali, com ela, dentro dela, acompanhando seus movimentos calmos, seguros e ritmados de uma habilidade surpreendente e ele se viu soltando gemidos roucos, suspiros prolongados até que ela aumentou a intensidade com a proximidade do orgasmo.

__ Eu não costumo brincar, Mulder, sabe disso __ Scully falava apenas para que ele não desviasse o rosto, adorando ver as transformações que ele sofria enquanto ela se movimentava.

Ficaram abraçados por um longo tempo, extenuados e extasiados, sentindo o calor de seus corpos próximos, embaralhados a uma enorme confusão de roupas e lençóis.

__ Aquele banho ainda está de pé ?__ ele virou-se para fitá-la, ajeitando uma mecha de cabelo atrás da orelha. __ Sempre adorei fazer isso !

Ela sorriu e saiu da cama, indo até a banheira e deixando que a água corresse . Quando voltou ele não estava no quarto , colocou um robe e saiu atrás dele para encontrá-lo, completamente nu, em sua cozinha e não pode deixar de sorrir encostando-se ao batente da porta.

__ É isso o que me espera , Mulder ? Vê-lo assim desfilando pela minha casa ?

__ Estava com sede __ ele a fitou e sorriu com ela __ Se este for um convite já está aceito, só acho que você não está combinando comigo __ completou se aproximando e desfazendo o laço da roupa dela, deixando o tecido deslizar pelos ombros e descansar no chão.

Voltaram e mergulharam na água morna da banheira. Scully encostada no peito dele recebia de olhos fechados as carícias que ele distribuía pelo seu corpo.

__ Acho que deveríamos ter discutido há muito tempo, Mulder ! __ disse maliciosa __ Devo um agradecimento ao Canceroso apesar de tudo__ continuou virando-se para fitar os olhos indagadores dele __ Ele me disse que eu seria capaz de morrer por você mas que não me permitiria te amar.

__ E é verdade ? __ perguntou com ar carente

__ A primeira parte sim mas acho que não tenho nenhum controle sobre amar você, Mulder, é mais forte do que eu.

__ Bom então também devo a ele __ disse enquanto circulava os seios dela com as mãos__ Vou encontrá-lo agradecê-lo por devolver a mulher que eu amo e depois atiro nele para que não volte a te tirar de mim, parece bastante simples.

Ela riu e beijou-lhe os lábios, subitamente lembrando-se de algo.

__ Tem mais uma coisa que ele fez __ disse enigmática enquanto se levantava e pegava a toalha __ Estou morrendo de fome, Mulder, será que você poderia me levar para jantar ? __ perguntou com voz meiga.

Eles voltaram para o quarto e ela pegou a bolsa que levara, tirando o vestido e seguindo novamente para o banheiro.

Quando saiu, penteada e arrumada, o corpo perfumado, o vestido marcando totalmente seu corpo, não pode deixar de sorrir ante o olhar admirado do parceiro.

__ Nossa, Scully ! __ ele falou se aproximando __ Acho que perdi a fome __ continuou sorridente, abraçando-se a ela.

__ Venha Mulder__ ela o empurrou para o interior do quarto__ Vamos dar algum sentido prático a este vestido.

Eles voltaram para a cama. Mulder com as feições subitamente sérias .

__ Scully, promete __ disse descendo a alça do vestido __ Promete que nunca mais fará isso.

Ela sorriu inocente.

__ Isso ? __ disse apontando para a cama.

__ Não Scully ! __ ele continuou apoiando-se sobre os cotovelos__ É sério, prometa que não vai mais se afastar assim, que não vai mais se arriscar desse jeito.

Ela agora também estava séria, fitou-o por um longo momento, passando os dedos sobre seus lábios.

__ Sabe que não posso prometer-lhe isso, Mulder, faz parte do nosso trabalho, não podemos fugir , mas prometo que não vou mais afastar você de mim, aqui ou no trabalho vou estar sempre ao seu lado. Tudo o que eu posso te prometer é que estarei aqui __ disse tomando as mãos dele e apontando para o centro __ ao seu alcance e espero que você nunca me deixe sair.

__ Nunca mais, Scully __ ele disse abraçando-a com força.

Dormiram abraçados naquela noite, em seus pensamentos, nenhuma lembrança do que ocasionara aquele final, nem um pensamento para aquele homem que, longe dali, jogava um cd sobre as águas e acendia outro cigarro.

 

FIM

Vamos falar mais sobre o Superman

Adicione seu comentário VIA FACEBOOK

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *