SHIPPER/MSR ANGST DRAMA

Fabi e Lika (dfabiana@terra.com.br; likaaguiar@yahoo.com.br)

Sinopse: Scully, Mulder, depois de En Ami, uma bela briga, uma reconciliação
melhor ainda

Título: Verzeihung*

Autoras: Lika, likaguiar@yahoo.com.br e Fabi, dfabiana@terra.com.br

Disclaimer: Que grande novidade… The X Files, CC, 20th Century Fox, junta tudo
e você tem um disclaimer.

Classificação: Shipper/MSR/angst

Censura: Livre.

Spoilers: En Ami

Feedback: Always… e por favor…

Resumo: Scully, Mulder, depois de En Ami, uma bela briga, uma reconciliação
melhor ainda.

 

 

Previously on The X Files:

Scully: ele estava aqui! esse era o escritório dele. Que diabos está
acontecendo?

Mulder: ele usou você.

Scully: Mulder, ele me falou isso tudo. Eu gravei. Eu mandei a fita para você.

Mulder balança a cabeça

Scully: essa mulher, Marjorie Butters, eu a conheci. Eu vi as fotos dela .A sua
certidão de
nascimento.

Mulder: Você viu o que precisava para fazer com que você acreditasse.

Scully: E quanto ao garoto? O garoto com câncer? Você não pode negar isso. Isso
é uma prova
inegável.

Mulder: Mesmo se você convencesse os pais dele a deixarem você examiná-lo,
quanto tempo demoraria
para o misterioso chip desaparecer? O plano foi perfeitamente executado, Scully.
A única
coisa que eu não entendi foi porque você ainda está viva.

Scully: Mulder, eu olhei nos olhos dele. Eu juro que ele estava me contando a
verdade.

Corta para o Canceroso bebendo vinho e fumando.

Mulder (voz): Ele fez tudo para ele mesmo, para ter a ciência daquele disco. A
sinceridade dele é
uma máscara, Scully. os motivos desse homem nunca mudam.

Scully(voz): Você acha que ele me usou para se salvar. As custas da raça humana.

Mulder(voz): não, ele sabe o que essa ciência é capaz, como é poderosa. ele não
deixaria nada no
seu caminho.

A câmera vira e mostra o cd ao lado do Canceroso.

Sculy(voz): Você pode estar certo….mas por um momento eu vi algo a mais nos
olhos dele, uma
coisa maior do que poder. Talvez por algo que ele nunca possa ter.

Aparece então o Canceroso jogando o cd na água.

 

Corta novamente para Mulder e Scully, eles ainda estão no prédio usado pelo
Canceroso para
enganar Scully.

O agente nada respondeu à sua parceira, não queria falar agora, sabia que iriam
descutir,
mas não queria que fosse agora, naquele local. o sangue estava quente. Preferiu
somente sair
daquele local e ir para o seu carro e lá ficou até sua parceira chegar
Alguns instantes depois, Scully entrou no carro, quieta. Mulder se
dirigiu para o apartamento de Scully. O silêncio dentro do carro era
irreal. Tudo o que eles ouviam era a respiração um do outro e o barulho
da chuva que começava a cair. Este silêncio foi quebrado por Mulder, que
secamente perguntou
– Você não confia em mim?
Scully retrucou: Por que vc está me perguntando isso Mulder? Pelo
que parece vc é quem não confia em mim.

Scully, você está fugindo da minha pergunta.

Não Mulder, não estou… eu arrisquei minha vida porque achei que
com isso poderia fazer alguma diferença na vida de outras pessoas.
Eu esperava poder ajudar estas pessoas que sofreram ou sofrem como eu
no passado. Crianças, Mulder, que nacem para sofrer.

O agente não comentou nada sobre o que a parceira tinha acabado de
falar , sabia o quanto Scully gostava de crianças e não pode deixar
de se lembrar de Emily e como Scully tinha sofrido por perdê-la e
principalmente se achava culpado pelo fato de que Scully não mais
poderia ter filhos. Ficou aliviado ao ver chegar o prédio de Scully,
Sabia que não encerraria a conversa mas a adiariam para outro dia.
Foi quando Scully falou
– Mulder, quero acabar esta conversa.

Porém Mulder respondeu:
Acho melhor não, Scully… eu estou cansado, quero ir para
casa.

O silêncio de Mulder caiu como uma bomba encima de Scully. Ele a estava
abertamente a evitando.
Neste momento, ela não conseguiu mais segurar e resolveu perguntar o motivo de
tudo aquilo.

Por que, Mulder? Por que você está agindo desta forma? O que eu fiz de errado?
Ou talvez
a pergunta seria o que eu “não” fiz. E o que eu não fiz foi pedir sua ajuda, seu
apoio. E você
teme que eu consiga ir em frente sozinha, mas tenho algo a lhe dizer…..
Scully, você não tem nada para me dizer – cortou Mulder – , e se tiver eu não
quero ouvir.
Você agiu de forma impulsiva, foi burra e cega. Como eu já disse antes, nada que
você consiga
desse homem será digno de credibilidade.

 

Scully ficou sem reação, não sabia o que dizer e nem como agir depois de ouvir
algo como aquilo.
Reuniu todas as suas forças para segurar as lágrimas e sair correndo para o seu
apartamento, mas
a idéia não deu muito certo já que antes de sair a agente olhou para dentro dos
olhos de Mulder
e tudo que pode sentir foram as lágrimas começando a descer, e elas só
aumentaram quando Dana
viu nos olhos do parceiro toda a raiva que ele estava sentindo. Tudo que ela fez
foi sair do
carro batendo a porta com força.

Inconscientemente Mulder sabia que aquele tinha sido o maior erro de sua vida.
Para conserta-lo,
seria necessário mais do que palavras. Tinha machucado Scully quase que
fisicamente. A maioria
das vezes ele não se dava conta de como o que falava podia ferir ou confortar
Scully. E desta
vez foi ao extremo.

Mulder viu Scully abalar-se profundamente uma vez por consequencia de uma
discussão, mas o tempo
e as condições em que ela se encontrava tornavam tudo na vida deles mais difícil
e delicado.
Mas desta vez nenhum fator externo a fez chorar… – Fui eu quem fez – Mulder
murmurou…

Mulder sabia que se fosse embora , a machucaria, mas se fosse falar com ela
depois de tudo, a
machucaria ainda mais. Resolveu então ir para o seu apartamento.

 

Ao chegar lá, Mulder se deu conta do que fez. O maior de seus erros… o que o
confortava era o
fato de que ele sabia que Scully era equilibrada o bastante para não cometer
alguma loucura.
Mas ele não sabia que nos últimos tempos Scully havia mudado bastante. Seus
sentimentos em
relação a Mulder haviam mudado, a forma como ela via o mundo e as atitudes que
ela tomaria em
frente a certos fatos.

 

Naquela mesma noite, na secretária eletrônica de Margareth Scully foi gravada
uma mensagem
de Dana. Mensagem que poderia preencher uma página do diário de Scully.

Scully: Mãe, sempre que ele precisou de mim eu estive lá por ele, eu já falei o
que sentia,
o que pensava mas me faltou coragem de dizer quão grande é o meu amor por ele.
Mas essa noite aconteceu algo. Tenho vontade somente de sentar e chorar…
chorar até não poder
mais. Porém lagrimas não vão diminuir a dor que tenho dentro de mim. Acho que
ela só vai aumentar.
Em uma época, eu chorava no ombro dele, mas agora choro por algo que pode para
alguns, parecer
uma bobagem, mas significa muito mais… – o telefone ficou um tempo em
silêncio, e um pouco
depois Scully continuou com a voz chorosa – … esta noite, choro por algo que
acredito que nunca
vou ter. O amor do homem que amo e que não confia em mim. – Falando isso Dana
simplesmete
desligou o telefone sem ao menos se despedir da mãe.

 

Ao ver a mensagem de Dana a primeira coisa que Margaret fez foi ligar para a
filha para oferecer
colo, afinal ela nunca tinha visto Dana tão vulnerável e insegura com relação as
suas atitudes.
Ao ligar a única resposta que obteve foi a voz da filha gravada na secretária
eletronica dizendo
que se ausentaria por alguns dias. Meg começou a ficar preocupada e resolveu
então procurar por
Mulder e chegando no apartamento do agente bateu na porta. Um longo tempo
depois, um Mulder
de olhos vermelhos e inchados atendeu.

 

Quando percebeu que se tratava de Meg, Mulder desviou seu olhar para baixo. E
ficou surpreso ao
encontrou um bilhete escrito por Scully.

 

“Mulder,
sei que as vezes, muitas vezes você age impulsivamente e com o coração. A sua
racionalidade
costuma ser deixada de lado… aprendi a ser assim também. E o que meu coração
me diz nesse
momento é que talvez se eu pudesse voltar no tempo e mudar tudo eu voltaria e
mudaria, não por
achar que eu estava errada e sim para evitar os olhares que você me lançou
quando eu fui para
o seu apartamento e para evitar também que meu fino cordão entre a sanidade e a
insanidade
arrebentasse. Quando cheguei lá tudo que eu queria era um amigo que pudesse me
abraçar e dizer
que estava tudo bem, que o pesadelo tinha terminado e que fizesse me sentir em
casa novamente.
Mas eu fui olhada por você como se fosse uma criminosa que você caçava. Senti-me
como se tivesse
cometido o maior dos pecados, o maior dos erros.
Você sequer olhou para mim Mulder, olhar, você sabe a cumplicidade e o conforto
que esse simples
gesto vindo de você causa?
Mulder, me responde quantas vezes eu fui até o inferno só para te achar? quantas
vezes você me deixou
como uma louca atrás de você? por que você não pode entender o que eu fiz? Até
compreendo que
você não entenda ou admita o que fiz, mas eu não merecia ser tratada daquela
forma. Não por você. Eu
não ligo para o que as pessoas pensam, mas quando o caso vem a você, tudo muda,
mas você não
percebe.
Espero que um dia de sua vida você possa me perdoar.
Com amor, mágoas e muita tristeza em um coração que sempre pertenceu a você.
Dana”

 

Tudo que Mulder consegui fazer foi ficar segurando o bilhete e chorar. Percebeu
que ela também o
amava e tudo que queria era ir até o apartamento da parceira para pedir
desculpas e dizer que
tudo que tinha feito não passava de medo. Medo de perde-la, de ter que vê-la
sofrer novamente.
– Mas ela já esta sofrendo – pensou o agente – e por minha culpa. Foi então que
ouviu a voz de
Meg fazendo Mulder voltar a realidade.

Fox o que você fez com a minha filha?

É uma longa história, Sra. Scully…

Meg pegou Mulder pelo braço, o levou pelo apartamento adentro e mandou ele
sentar-se no sofá

Fox, eu realmente não estou com sono esta noite… pode começar.

Sra. Scully, eu agora não posso, tenho que ir ao apartamento da Sculy e…….

Foi então que a Sra. Scully resolveu corta-lo. Ela já estava preocupada demais
com a filha não
poderia perder tempo deixando Mulder sair como um doido até o apartameneto da
filha,
principalmente sabendo que ele tinha sido a pessoa que tinha feito Dana sofrer.
Ainda não
entendia o que estava acontecendo e sinceramente não conseguiar ver em Mulder um
homem que
magoaria alguém que gostasse, ao menos não intencionalmente. Mas sabia que tinha
que ser
enérgica para conseguir descobrir o que
estava se passando no coração da filha e do parceiro de trabalho dela e que Meg
considerava e
simpatizava desde a primeira vez tinha visto.

 

E nada Fox. A Dana não está em casa. Vocês dois parecem dois malucos. Por que
não sentam
para conversar como fazem todas as pessoas? Ela deixou um recado muito estranho
na mnha secretária
eletronica falando que algo tinha acontecido hoje e que nunca teria o amor do
homem que não
confiava nela. Fox, a Dana estava saindo com alguém e você disse algo sobre isso
que a tenha
magoado?

Mulder agora tinha certeza absoluta dos sentimentos de Scully e resolveu contar
tudo para
Meg e pedir ajuda já tinha sido tolo demais e perdido muito tempo. Olhou para
Meg que estava
sentada ao seu lado e parecia impaciente, era incrível como Scully parecia com
ela quando estava
nervosa. – Se elas realmente forem iguais eu sou um homem morto – pensou o
agente ao
compara-la a filha.

Sra. Scully, eu sei que vai parecer loucura mas eu acho que…talvez….bem….

Meg: FALA LOGO FOX.

Mulder: Ai – Mulder levou um susto ao ver a mulher falando assim, eram identicas
até na hora de
dar ordens- tudo bem. Eu acho que eu posso ser esse homem que a Scully
ama….Parece ainda mais
louco quando eu falo isso.

Acredite Fox, isso só faz com que tudo tenha sentido……

Mulder sorriu pela primeira vez no dia, era bom saber que estava reconquistando
a confiança
de Meg. Resolveu então contar tudo que estava ocorrendo.

 

Bem a Scully estava realmente envolvida com outro homem, mas de uma forma
romântica.
O que aconteceu foi que a Scully aceitou ir atrás de um homem, o Canceroso, o
mesmo homem que
fez com que ela fosse abduzida, desenvolvesse o câncer e tudo mais, porque ele
falou para ela que
tinha algo que poderia curar todas as doenças, nós estávamos investigando um
menino que tinha
câncer e que de um dia para o outro ficou curado e segundo ele por anjos.
Enquanto Mulder relatava a Meg os acontecimentos, ele tremia, mas sabia que não
era de frio…
Meg respondeu: Como a Dana.

Mulder: Exatamente, só que esse anjos, não eram anjos, eram homens que trabalham
para o Canceroso
e provavelmente fizeram isso somente para fazer a Scully se encontrar com ele. E
ela foi sem me
dizer nada. Deixou somente um recado na minha secretária eletrônica dizendo que
estava com
problemas de família. Eu tentei ligar para ela mas quem atendeu foi a secretária
eletronica.

Meg: Sempre a secretária eletrônica.

Mulder: É até elas estão conspirando conta mim. Eu fiquei preocupado e resolvi
ir até o prédio
dela e lá o zelador me disse que ela tinha saido com um homem que fumava como
uma chaminé. Foi
aí que eu fiquei preocupado e resolvi te ligar para perguntar qual era o
problema de família.

Meg: Você realmente me deixou preocupada, não me deu tempo nem de perguntar o
que tinha acontecido.
Foi logo se despedindo e desligando o telefone.

Mulder: É que eu fiquei desesperado, tive a certeza de que ela estava com ele.
Foi quando ela
ligou para o Skinner e eu estava na sala dele, tentei falar com ela mas ela não
deixou, pediu
somente para o Skinner me dizer que estava bem. Me magoou saber que ela não
queria falar comigo,
que preferia falar com o chefe do que comigo. Quando ela voltou eu não conseguia
nem olha-la direito, três amigos meus estavam aqui e eles acabaram fazendo com
que nós não
tivessemos uma briga horrível. Mas depois nós fomos no lugar que ela achava ser
o escritório
desse homem, o Canceroso, e tudo estava vazio, na volta quando eu parei no
prédio dela nós
acabamos tendo a briga horrível, eu falei coisas que não devia, que sabia que
iriam magoá-la,
mas sinceramnete eu acho que queria magoá-la, porque ela tinha feito o mesmo
comigo. Agora eu
vejo que fiz tudo errado.

Meg: Fox não se culpe tanto. Ela vai voltar eu conheço a Dana, ela está com a
cabeça quente,
mas quando esfriar vai querer conversar,você vai ver.

Mulder: Ela tentou conversar quando nós chegamos no prédio dela , mas eu não
deixei.

Meg: Vai haver outra oportunidade, ela vai te dar outra chance. Se não der eu
pego os dois,
tranco em um quarto e só deixo sairem quando fizerem as pazes.

Mulder: Obrigada Sra. Scully.

Meg: Agora eu quero que você durma um pouco, descanse . Eu vou para casa ver se
a Dana me dá
noticias . Se souber de algo, eu lhe aviso.

Meg se levantou e Mulder a levou até a porta. Se despediram e Mulder foi fazer o
que o que a
Sra. Scully tinha dito, mas não dormiu bem já que Scully não saia do seu
pensamento. Quando
acordou resolveu ir até o apartamento da parceira. Queria senti-la, nem que
fosse somente o seu
perfume agradável que estava sempre presente no apartamento dela, e que quase o
enlouqueceu
diversas vezes.

Se vestiu rapidamente e foi. Chegando lá usou sua chave para entrar na casa de
Scully, sabia
que ela não estaria lá e nem se deu o trabalho de bater na porta. Quando entrou
teve uma
surpresa. Scully estava adormecida no sofá. O rosto inchado mostrava que ela
tinha chorado
muito.

– Então ela não foi para lugar nenhum. Resolveu ficar aqui escondida. Genial.
Ninguém iria
nunca descobri-la aqui depois de todos os indícios de que tinha ido para longe.
Só que eu
descobri Scully, e você não vai mais poder fugir, e mesmo se tentar eu não deixo
, só se for
comigo. – pensou Mulder

Mulder ficou lá, sentado em uma poltrona somente admirando Scully. Ela, a maior
razão de seu
afeto e de sua razão estava lá, simplismente arrasada pelas palavras ditas por
Mulder.
Mulder não teve coragem o bastante para acorda-la. Decidiu somente ficar sentado
lá, admirando-a.
Seus belos lábios, inchados sua causa do choro, os cabelos ruivos… ele se pos
a murmurar, como
em um pedido de perdão silencioso:

 

Dana, eu sei que te pedir perdão nesse momento e em momento algum vai ser
bastante para
amenizar o que eu fiz. Mas gostaria que você soubesse que se alguma vez na vida
me arrependi de
algo que pensei, falei ou senti, essa vez foi dentro daquele carro…
Gostaria de achar palavras para o que eu fui naquele momento… mas elas não
existem.
E gostaria que você soubesse que por mais que eu seja mais do que um otário na
maioria das vezes, até mesmo o mais independente dos homens é
escravo do ar que respira. E você é o ar que eu respiro…
– Neste momento, Mulder aproximou-se de Scully-
Uma vez na vida cometi o erro de achar que amei. Pensei ter amado tantas
pessoas, mas nunca
soube. O significado da palavra amor é muito mais especial do que aquilo que
lemos e ouvimos.
Eu descobri o amor… mas não sou digno dele. É um sentimento nobre demais para
alguém como eu,
que tantas vezes te fez sofrer e sequer teve coragem o bastante para chegar em
sua frente e
admitir o erro mais fenomenal de minha vida…

 

-a esta altura, Mulder estava em lágrimas. Um choro abafado. Ele não queria que
ela soubesse que
ele esteve ali, mas ele também não tinha forças para ir embora-
Foi quando percebeu que Scully estava de olhos abertos. Mulder ficou sem saber o
que fazer.
Acabou somente olhando para ela. Scully já estava ouvindo as palavras de Mulder
desde que ele
chegou. Ela estava simplesmente surpresa e aliviada ao mesmo tempo em relação a
tantas
revelações. A esta altura, Dana não sabia quem tinha mais lágrimas no rosto, ela
ou Mulder.
A tristeza de ambos era visível, especialmente a de Mulder. Ele havia machucado
a ela e a ele
mesmo. Scully sabe que Mulder se auto-punirá se algo acontecer algum dia a ela.
Por um longo
instante, eles ficaram somente se olhando. Tentando despir um ao outro de
pesadas máscaras que
usavam para tentar proteger-se do amor.
Scully deu o primeiro e decisivo passo:
SCULLY: Mulder, por que nunca tivemos coragem de olhar nos olhos um do outro e
dizer isso?
Mulder ficou sem saída. Não adiantaria dizer que Scully havia entendido tudo
errado, porque o
papel de idiota neste caso seria o dele. Scully olhou para ele com “aquele”
olhar inquisidor.
Aquele olhar que faz Mulder dizer toda a verdade que ela gostaria e não gostaria
de ouvir.
Neste momento, Mulder começou a balbuciar: – Sculy, eu, ahn… eu… eu
preciso..de você mais do
que você imagina… e eu já te disse isso antes e te digo de novo… eu te amo.
Mulder estava mais do que nervoso. Ele não sabia o que falar e sua boca não
acompanhava o
pensamento. Ele imaginou essa cena centenas de vezes, na praia, no campo, no
meio de uma
floresta, em seu apartamento, no de Scully, mas não nestas circunstancias. Mas
Mulder lembrou-se
de uma sábia frase de Scully: tudo acontece por uma razão, Mulder.
Scully ficou em silêncio por um longo tempo apenas
olhando para Mulder. Ele interpretou o silencio dela como a negação de sua
declaração e pedido de
desculpas. Mas a realidade era que Scully estava somente colocando em ordem tudo
o que tinha
acabado de ouvir.

 

Mulder levantou-se e disse:
Mulder: Scully, eu acho melhor eu ir embora…….
Mulder começou a se levantar mas sente a mão de Sculy pegando na sua.
Scully: Mulder não, se vc for nós vamos continuar com esse mal entendido entre
nós. Eu não quero
isso Mulder. Os acontecimentos de minha vida foram sempre adiados. Eu não quero
mais isso. Sofri
demais durante estes 7 anos em que tive que fingir, correr e esconder. Não quero
mais
sofrimento. Minha vida tem sido um jogo de gato e rato. Você mostra as cartas,
eu as escondo.
Você abre o jogo, eu o fecho… sempre foi assim quando o assunto era a forma
como nós nos
sentiamos em relação um ao outro. Mas acho que eu cresci bastante. Nossa briga
teve um lado bom.
Me fez perceber que se existe uma pessoa em minha vida que não pode ficar de
fora nem por um
minuto, essa pessoa é você.
Neste momento, Mulder ostentava um sorriso tão grande e belo que poderia
contagiar a qualquer um.
Até mesmo a séria Agente Scully. Eles trocaram um longo e demorado abraço, até
que Mulder
percebeu que Scully queria falar-lhe algo.
-Mulder, eu te amo.
Depois de ouvir Scully dizer isso Mulder a puxou delicadamente ainda para mais
perto do seu
corpo, olhando fixamente para os olhos dela. Ele foi abaixando a cabeça e
encontrou os lábios
de Scully, que estavam
quentes e úmidos por consequencia das recentes lágrimas.
Eles se envolveram neste beijo que não era um simples beijo. Ele era um
amontoado de emoções
indescritiveis. Um relacionamento de 7 anos… longo, profundo e confidente.
Este beijo
representava todo um relacionamento deles. A parte mais íntima e confidente de
um relacionamento.
Para Mulder e Scully, até mesmo um toque de mãos representava muito mais do que
se imagina…
O beijo dos dois é quebrado pelo som do telefone, que faz com que os dois deem
um pulo com o susto.

Mulder: Scully, melhor vc atender – disse o agente sorrindo.

Scully: é eu acho melhor.
Alô. Oi mãe é eu estou em casa. Como você adivinhou que eu iria estar aqui?
Intuição? Sei……
Não mãe agora está tudo bem. o Fox? Ele está aqui…..é está.

Mulder: É a sua mãe?

Scully: É.

Mulder : Diga para ela obrigado.

Scully: Por que?

Mulder: Scully para de fazer perguntas idiotas – o agente responde em tom de
brincadeira.

Scully fala com a mãe rindo: Mãe o Mulder mandou dizer obrigado. Mulder ela está
dizendo de
nada. Mãe, do que vcs estão falando? Não mãe, não desliga não…….tudo bem
tchau!

Scully começa a andar em direção a Mulder

Scully: Mulder o que vcs aprontaram.

Mulder : Nada Scully, ela só me fez ter certeza de que já havia passado a hora
de dizer que eu
lhe amava de uma forma mais “especial” …….E foi ela que fez vc,
então eu acho que vou estar grato a ela para o resto da minha vida.

Scully: Mulder……..

Mulder: Cala boca Scully, nós já falamos demais hoje.

E o agente a calou com um beijo

 

 

FIM

 

Thank you for loving me
by Bon Jovi

It’s hard for me to say the things
I want to say sometimes
There’s no one here but you and me
And that broken old street light
Lock the doors
We’ll leave the world outside
All I’ve got to give to you
Are these five words when I

Chorus:
Thank you for loving me
For being my eyes
When I couldn’t see
For parting my lips
When I couldn’t breathe
Thank you for loving me
Thank you for loving me

I never knew I had a dream
Until that dream was you
When I look into your eyes
The sky’s a different blue
Cross my heart
I wear no disguise
If I tried, you’d make believe
That you believed my lies

Chorus:
Thank you for loving me
For being my eyes
When I couldn’t see
For parting my lips
When I couldn’t breathe
Thank you for loving me

You pick me up when I fall down
You ring the bell before they count me out
If I was drowning you would part the sea
And risk your own life to rescue me

Solo

Lock the doors
We’ll leave the world outside
All I’ve got to give to you
Are these five words when I

Chorus:
Thank you for loving me
For being my eyes
When I couldn’t see
You parted my lips
When I couldn’t breathe
Thank you for loving me

When I couldn’t fly
Oh, you gave me wings
You parted my lips
When I couldn’t breathe
Thank you for loving me

 

* Verzeihung, o título da fanfic, significa perdão em alemão.

 

Thank You:

Fabi:
Entre tantos amigos, gostaria de agradecer a uma pessoa muito, muito especial
mesmo para mim… você sabe quem você é Rubens… te adoro demais!!!

Vamos falar mais sobre o Superman

Adicione seu comentário VIA FACEBOOK

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *