18ª Bienal Internacional do Livro Rio | 2º Fórum de Educação discute a juventude

18ª Bienal Internacional do Livro Rio | 2º Fórum de Educação discute a juventude

05/09/2017 0 Por Alan Uemura

Nesta segunda-feira, dia 4 de setembro, aconteceu 2º Fórum de Educação, na 18ª Bienal Internacional do Livro Rio, no Riocentro. Enxergar o estudante como protagonista da aprendizagem; buscar uma escola que faça sentido e acolher as identidades e diferenças, de forma a evitar a exclusão, foram alguns dos desafios que mobilizaram a conversa entre os professores e especialistas do fórum, com curadoria do Canal Futura e mediação de João Alegria, diretor do Canal.

Para o Tião Rocha, um dos convidados do debate, a educação é uma relação de troca. “Educação só existe no plural: eu e o outro. Para gerar aprendizagem e haver troca, é preciso estabelecer o equilíbrio entre os diferentes, não reforçar as desigualdades”, defendeu o educador Tião, que contou sobre sua experiência no trabalho com crianças e jovens em lugares como o Vale do Jequitinhonha e o interior do Maranhão.

Já a jornalista Flávia Oliveira, uma das apresentadoras do encontro, destacou as causas para os altos índices de evasão escolar, especialmente entre jovens negros e pobres. “As desigualdades vão se perpetuando. A escola é o primeiro espaço em que a criança percebe o racismo: ela muitas vezes tem a percepção de que aquele lugar não é para ela”, diz Flávia, citando ainda baixa renda, más condições de habitação e vulnerabilidade familiar como fatores que contribuem para a evasão escolar.

A professora guarani Sandra Benites emocionou o público com sua trajetória no ensino e no resgate da cultura indígena, dentro da comunidade guarani. “Muitas vezes, falta acolhimento e entendimento do jovem indígena nas escolas em geral, o que faz com que eles desistam de estudar. Esse esquecimento da identidade é uma violência simbólica muito grande”, contou.

ARENA #SemFiltro

A Arena #SemFiltro foi o palco de dois bate-papos com artistas nacionais. Os músicos Tico Santa Cruz e Leoni falaram sobre o atual cenário da política e da música no Brasil. Tico, conhecido por se posicionar ativamente nas redes sociais, ressaltou a importância da militância artística em causas como racismo, homofobia e desigualdade social e política. “Quando você se omite politicamente, você acaba autorizando que outras pessoas falem por você. Acho um desperdício não usar a nossa voz amplificada para batalhar por uma sociedade mais justa, para diminuir as desigualdades e dar voz àqueles que não conseguem compartilhar o seu sofrimento. Esse também é o papel do artista, independente do preço que se pague”. As transformações da sociedade, que, segundo Leoni, está cada vez mais focada em entretenimento e consumo, reverberam diretamente na arte. Para ele, quanto mais a sociedade caminhar na velocidade do capitalismo, mais a arte será desvalorizada. “A gente perdeu a capacidade de valorizar as coisas mais simples. Passando a acreditar que se não dão lucro, não valem o investimento. A arte é mais que isso. A arte é sonhar. E a música, assim como outras expressões, deveria estar livre de serem produtos mercadológicos”, disse.

Leia mais  25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo conecta universo do conhecimento aos grandes temas da atualidade

À noite, a atriz, cantora, apresentadora e escritora Sophia Abraão, e a musicista e atriz Lucy Alves bateram um papo com a plateia sobre os tantos papeis desempenhados pelas multimulheres nos tempos de hoje. Para ambas, o conceito de fazer uma coisa só no ambiente profissional está ultrapassado. “O profissional é cada vez mais completo, homens ou mulheres. Todo mundo vive essa necessidade de ser um combo”, comentou Lucy. A conversa, mediada pelo produtor musical Bruno Levinson, trouxe à tona ainda um debate sobre igualdade de gênero e violência contra mulher. “As pessoas têm dificuldade em entender o feminismo. É simplesmente igualdade, seja em casa, no trabalho ou no convívio social. Ainda estamos muito longe disso, mas é bom saber que estamos caminhando” comentou Sophia, adicionando que entre todas as dificuldades que vive por ser mulher, a pior é a falta de segurança. Lucy, assim como todas as mulheres da plateia, concordou. “Sair na rua sem ser assediada, sem ficar assustada com tudo e com todos é algo que não existe para nós”. A última sessão desta segunda-feira foi encerrada com Lucy e Sophia dividindo com o público sua missão de vida: usar a arte e a capacidade de influenciar pessoas para dar chance ao diálogo, emocionar pessoas e fazê-las sentir, fazê-las viver.

Geek & Quadrinhos

Affonso Solano – curador do espaço – foi o mediador do debate “Achei que ler era chato”, que aconteceu nesta segunda, no pavilhão 4 – verde. Vivi Maurey, Luis Eduardo Matta e Marcelo Amaral foram os convidados da atração e eles disseram ao público como venceram o preconceito contra a “literatura chata” na adolescência.

Vivi – autora do livro #Fui – comentou que tomou gosto pela leitura quando conheceu os gibis da Turma da Mônica, as obras de Agatha Christie e o livro “Os Caras”, de Pedro Bandeira. Luis Eduardo – escritor de livros policiais para jovens – viu que ler era bacana e instigante quando teve acesso à série “A inspetora”, de Ganymédes José. Já Marcelo Amaral se encantou com “Feliz Ano Velho”, de Marcelo Rubens Paiva. O encontro entre os três autores esgotou a capacidade do espaço, limitada em 80 pessoas.

Leia mais  Dragon Ball Super|| novos episódios em outubro

Palco Maracanã

Os donos de dois canais do YouTube (Neagle e Luis Mariz) agitaram a garotada nesta segunda-feira, na 18ª Bienal do Rio. Criadores do Neagle, Victor Trindade (Eagle) e Gabriel Fernandes (Neo) ambos com 19 anos – youtubers com 3,5 milhões de inscritos – fizeram o maior sucesso entre os seus fãs adolescentes. Os jovens autores deram pelos menos 400 autógrafos no livro “Neagle – Vivendo um sonho nos Estados Unidos”, que relata a rotina dos dois neste país. Na obra, eles contam detalhes de como é morar sozinhos e também dão dicas de como é possível estudar fora do Brasil.

A sessão de autógrafos com o youtuber Luis Mariz, que lançou recentemente o livro “Um ano muito louco”, da editora Astral Cultural, reuniu centenas de fãs mirins e adolescentes que vibraram, gritaram e se emocionaram ao encontrar o influencer. “Desde que comecei meu canal de vídeos, este contato com os fãs é surpreendente para mim. É muito doido ver a galera me abraçando, me beijando. Esse carinho é lindo”, comentou entusiasmado. O youtuber de 18 anos falou, ainda, sobre a responsabilidade de produzir conteúdo para um público tão jovem. “Crianças, adolescentes e até mesmo seus pais nos assistem, então nós sempre nos preocupamos em fazer o que é correto e mostrar isso nos vídeos. Tentamos também ter uma pegada educacional porque sabemos nossa responsabilidade”, finalizou Luiz.

Compartilhe: