As máquinas de Transformers – Parte 2

Decepticons.


Ford Mustang – BARRICADE

width=434

No filme Transformers ele pode ser o disfarce do vilão Barricade (mas me diz, tem algum dos robozões, ou alguma das transformações, que não seja incrivelmente legal!?) mas o Mustang é uma lenda da indústria automobilística.

Batizado em honra ao maior caça a hélice de todos os tempos, o North American P-51 Mustang da Segunda Guerra Mundial (John Najjar, um dos participantes do projeto do carro, pilotou o avião na guerra), o Mustang foi o inspirador da moda de carros relativamente baratos e compactos, mas muito potentes, nos Estados Unidos. Lançado em 17 de abril de 1964, foi sucesso instantâneo.

Em 1967, como de hábito, o carro aumentou de tamanho com as primeiras mudanças. Estilo, tamanho e motores sempre maiores. A Ford ainda chamou Carrol Shelby, famoso piloto e construtor, para dar aquela envenenada no carro, e surgiu o Shelby GT 500, com um motorzão de 7,0 litros e 355 cavalos.

Em 1969, nova versão da carroceria, que havia anos já possuía a versão chamada fastback, com vidro traseiro bem inclinado. Chegou nessa carroceria o Mach 1, versão de elite com motores de 5,8 a 7,0 litros, pintura com faixas pretas e acabamento esportivo. Total sucesso.

Em 1973, com a crise do petróleo, terminava a era dos muscle cars, com a Ford lançando em 1974 um Mustang bem menor, mais econômico, e muito sem graça. Ainda havia o emblema do cavalo na frente (se vir coisa diferente num modelo preto e branco, saia correndo!!!), mas não era o mesmo Mustang de antes. Ainda havia o V-8, mas com potência muito reduzida para poluir e gastar pouco.

Em 1979, para os 15 anos do modelo, uma nova geração com linhas mais retas e desenho bem melhor que o anterior. E em 1984, comemorando os vinte anos, voltava a versão conversível.

Em 1993 o retorno da esportividade, com um modelo novo inspirado no conceito Mach III de 1992. As lanternas traseiras tinham três elementos, como o modelo original. Em 2000, a versão Cobra R, praticamente um carro de corridas para as ruas. É bom lembrar que, o Mustang travou homéricas disputas nas pistas com o Camaro, da rival GM. Em 2002 voltava o nome Mach 1, com motorzão de 300 cavalos e o mesmo apelo esportivo, com faixas e tomadas de ar no capô.

Em 2003 um ano antes do aniversário de 40 anos, a Ford apresentou no Salão de Detroit um carro-conceito totalmente inspirado pelos Mustang dos anos 1960. Em 2005 a mais nova geração do Mustang entrava em produção.

Mas de novo, cuidado se vir um deles por aí com cores preta e branca de carro da polícia!

Sikorsky MH-53 Pave Low – BLACKOUT

width=480

O MH-53 é uma versão muito evoluída do modelo S-65 a fábrica americana Sikorsky, muito usado no Vietnã como CH-53 Sea Stalion. O propósito do modelo usualmente sempre foi o de busca e resgate, mas o modelo MH-53 Pave Low é usado para missões de operações especiais.

Essas missões costumam envolver voar baixo por grandes distâncias, penetrando em áreas hostis abaixo do radar e as vezes com tempo ruim. As tropas especiais fazem infiltração, exfiltração de pessoal, e abastecimento de forças especiais. As vezes eles têm a companhia de um MC-130, a versão armada do Hercules (também vista em Transformers). Um Hercules serve também de avião tanque, abastecendo o helicóptero por meio da comprida sonda no nariz deste.

O MH-53 é o maior e mais potente e avançado helicóptero de transporte da Força Aérea americana. Tem radar de acompanhemento de terreno, sensores ifnravermelhos e navegação inercial com GPS, capaz de operações a noite e om mau tempo.

O helicóptero transporta 38 soldados e pode erguer nove toneladas com seu guincho. Alcança 265 km/h e 4800 m de altitude. Tudo torna mais fácil penetrar numa base americana no Oriente Médio com péssimas intenções…

F-22 Raptor – STARSCREAM

width=480

No Vietnã, os EUA perceberam que precisavam de um caça de combate aéreo, produzindo anos depois o F-15 Eagle. Mas a partir dos anos 1980, com a crescente importância da tecnologia stealth, tornou-se mais importante ser invisível ao radar inimigo.

Daí surgiu o projeto do F-22 Raptor, um caça de quinta geração capaz tanto de combate aéreo como ataque terrestre. O primeiro exemplar de produção foi entregue em Nevada, na Base Nellis, em 14 de janeiro de 2003. Em 2004, já havia 51 Raptors em serviço.

Os dois motores P7W F119 têm empuxo vetorado, ou seja, os bocais de saída na traseira da aeronave são móveis, incrementando a manobrabilidade do avião.

A velocidade máxima é maior que Mach 2, ou 2120 km/h, e algumas fontes citam 1600 milhas por hora, ou Mach 2,42, um número possível. Mas o valor real permanece confidencial.

As capacidades stealth, ou furtivas, foram o maior fator no desenho do caça, chegando-se mesmo a projetar as entradas de ar dos motores para esconder os compressores dos mesmos, peças que aparecem muito no radar. Devido a isso, o F-22 tem compartimentos internos para armas como mísseis e bombas, que se fossem carregados externamente também iriam permitir sua detecção. Mas existe a previsão de uso de armas externas, para a eventualidade de qualquer conflito.

O F-22 é mais resistente aos elementos do que o bombardeiro B-2, que precisa de hangares protegidos para não estragar os materiais absorventes de radar da fuselagem. O caça tem até mesmo um sistema que alerta quando a fuselagem precisa de reparos, pois está aparecendo muito no radar.

Tudo para não dar na vista de humanos e Autobots…

Adicione seu comentário

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta