Posts Relacionados

“Construção” (1971), de Chico Buarque, é um marco na discografia brasileira. Lançado após o exílio do cantor e compositor na Itália, o álbum denunciava a situação política, apontava os problemas sociais do país, trazia uma forma muito diferente fazer poesia para a época, como nas inventivas “Construção” e “Cotidiano”, e arranjos ousados, que passaram a influenciar outros músicos dali em diante. Símbolo de modernidade na época e até hoje admirado por sua inventividade, esse importantíssimo registro, que vigora em qualquer lista de “maiores discos brasileiros”, é uma eterna referência de nossa música e da genialidade de Chico Buarque e volta às prateleiras em vinil pela coleção “Clássicos em Vinil”, da Polysom.

O disco traz dez sucessos atemporais: “Deus lhe Pague” (Chico Buarque), “Cotidiano” (Chico Buarque), “Desalento” (Chico Buarque/ Vinícius de Moraes), “Construção” (Chico Buarque), “Cordão” (Chico Buaque), “Olha Maria” (Antonio Carlos Jobim / Vinícius de Moraes / Chico Buarque), “Samba de Orly” (Chico Buarque / Vinícius de Moraes / Toquinho), “Valsinha” (Vinícius de Moraes / Chico Buarque), “Minha História (Gesubambino)” (Lucio Dalla / Pallotino / vers.: Chico Buarque), “Acalanto” (Edu Lobo / Chico Buarque).

“Construção” foi produzido por Roberto Menescal, com arranjos de Rogério Duprat e Magro (MPB4). O álbum traz também algumas participações especiais, entre elas de Tom Jobim e do grupo MPB4.

Nós já conferimos Deadpool 2

Adicione seu comentário VIA FACEBOOK

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *